segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Corações de pedra


Corações de pedra sempre possuem um furo causado pela ação natural das coisas. Talvez por um sentimento inconsciente ou por uma falta deste. O não sentir nada é sentir uma angústia, o sentir uma angústia é ao mesmo tempo ter medo.
Sempre senti que nada poderia machucar-me, mas sera que eu mesma não me machuquei? Vendo o que eu fiz com meu coração, vejo que a pedra se transforma agora em pó.

sábado, 29 de outubro de 2011

Melancolia


Eu gosto de voltar no tempo. Sentir cada velha nova emoção aflorar em minha pele; sentir um arrepio brotar na minha espinha. Eu gosto mesmo é de sentir o tempo, viver o tempo, ouvir uma nova voz dentro de mim.
Tudo que passa nos deixa marcados para sempre, revelando novas emoções a cada vez que nos recordamos do acontecimento.
Melancolia de minha parte?
Quem sabe não seja apenas um sonho ou desejo querendo me mostrar quem eu realmente sou.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A partida


Hoje fechei os olhos e ele estava. Eu sabia que ele estava a ponto de ir embora, mas ele não sabia de nada, ele estava confuso e queria estar comigo. Eu abri os olhos e me lembrei que o tempo havia passado e que aquilo nunca aconteceria de novo. As coisas haviam mudado mesmo para sempre.
Ainda guardo incrivelmente uma visão que não é minha e ao mesmo tempo meus olhos fixos naquele espelho. Os momentos que eu queria guardar foram embora porque eu sabia, eu sempre soube de tudo. Consegui apenas memorizar uma palavra, palavra esta que comecei a me esquecer.